Baixios de Viadutos de Belo Horizonte

Projeto para Viaduto Engenheiro Andrade Pinto, vencedor de Menção honrosa.

O viaduto é passagem, mas pode também ser encontro. É esta a ideia estruturante do presente projeto, que pauta-se no compromisso com a cidade e pretende fomentar as inter-relações entre esta e seus habitantes. O projeto propõe soluções que propiciem apropriações coletivas e sejam, simultaneamente, passíveis de interpretações e ressignificações individuais, coerentes com as necessidades e desejos dos seus usuários. A proposta baseia-se no uso livre e compartilhado do espaço público e objetiva, em última instância, o fomento a um sentimento de pertencimento, responsabilidade e segurança, capaz de preservar a heterogeneidade e possibilitar o encontro.

O espaço concebido seria um suporte para a coexistência de usos e atores diversos, de maneira sustentável. A gestão compartilhada do espaço público pela Prefeitura, população e agentes privados do entorno garantiria a sustentabilidade econômica, social e cultural do projeto. A captação de água pluvial, a coleta seletiva e o uso de energia solar tornam a proposta ambientalmente sustentável, sendo necessário o uso de serviços públicos apenas para o abastecimento de água limpa, esgotamento sanitário e coleta dos resíduos sólidos.

Os projetos partem da análise dos usos existentes nos baixios e nos arredores dos viadutos e são uma tentativa de se conceber espacialidades apropriáveis e compatíveis com as demandas atuais e potenciais. Com base na análise das ações a serem mantidas e acrescentadas, são propostos espaços amplos, estruturados a partir de um mobiliário urbano modular que proporciona usos múltiplos e convida a população à apropriação e ao encontro. Por ser modular, de fácil adaptação ao relevo e resistentes à intempéries, tais estruturas podem ser expandidas para as áreas adjacentes ao viaduto e para outros lugares da cidade.

A forma resultante é capaz de acomodar diversas funções, tem baixo custo de construção e não exige muita manutenção. O espaço gerado é amplo e permeável, sem subdivisões opacas. A estrutura vazada e leve se contrapõe à robustez do viaduto, permite a visibilidade plena e uma melhor ventilação natural do espaço. Além disso, a topografia criada possibilita novas visadas e uma experiência lúdica. Além dessas estruturas, o tratamento paisagístico baseado no fluxo de pedestres potencializa a passagem e permanência no baixio.

Projeto para Concurso Público Nacional de Arquitetura para Requalificação Urbana de Baixios de Viadutos em Belo Horizonte. Viadutos Cinquenta e Dois, Engenheiro Andrade Pinto (menção honrosa) e Pedro Aguinaldo Fulgêncio.

Belo Horizonte, 2014

Ficha técnica:
Projeto: Dobra Oficina de Arquitetura (Bianca Ribeiro, Débora Moura, Fernanda Chagas, Gabriel Jota e Natália Freitas), Interface Tátil (Débora Tavares e Luiza Lages), Carolina Boaventura, Cecília Reis, Laura Castro, Márcio Gabrich e Paula Bruzzi.

Viaduto Engenheiro Andrade Pinto
Viaduto Cinquenta e Dois
Viaduto Pedro Aguinaldo Fulgêncio

Clipping

Viaduto Engenheiro Andrade Pinto (Vencedor de Menção Honrosa)

A proposta para o viaduto Engenheiro Andrade Pinto compreende a ocupação do seu baixio e da Avenida Olinto Meireles, totalizando 615 m2 de intervenção. No lugar de muros e divisões setoriais, propõem-se espaços amplos, estruturados por meio de um piso elevado modular, que ocorre em dois níveis. Com o piso pretende-se criar uma espécie de topografia artificial, que, juntamente com o mobiliário urbano modular, possibilite apropriações espaciais livres, sem barreiras excludentes. Em meio ao piso serão deixadas áreas permeáveis e passagens no nível do solo, nas quais pretende-se priorizar o fluxo de pedestres. A proposta, além de potencializar ações que já ocorrem na área, pretende fazer com que o viaduto seja ponto de confluência de ações praticadas por moradores locais, pelos usuários dos estabelecimentos lindeiros e pelos moradores de outras áreas da cidade. Enquanto maneira de viabilizá-la economicamente propõe-se a realização de feiras urbanas e de eventos culturais, bem como a potencialização das atividades artísticas já realizadas no local pelo projeto Escultórias, que exerce importante papel social junto às crianças do bairro. A integração entre o viaduto e os estabelecimentos localizados em suas margens é potencializada pelo fechamento da Avenida Olinto Meireles, que funcionará apenas enquanto local de estacionamento, sem grandes prejuízos para o trânsito local. Por meio de suportes que possibilitem simultaneamente a conexão entre os equipamentos lindeiros e o uso do viaduto enquanto pólo de atividades, pretende-se gerar maior qualidade de vida para os moradores locais e ampliar as possibilidades de desenvolvimento social e econômico para a área.

 

Viaduto Cinquenta e Dois

Vista para os Escaninhos e a Cozinha Pública. Ao fundo, fontes de água e uma nova área gramada garantem conforto ambiental.

A intervenção compreende o baixio dos dois lados do Viaduto Cinquenta e Dois e o lote vago anteriormente ocupado por um posto de gasolina, totalizando uma área de 9.660m2. O maior aproveitamento desta área poderá incentivar a reativação do uso dos demais lotes vagos e das lojas do entorno. A permanência de caminhões e carros no baixio não será mais permitida, prevendo uma parceria com o estacionamento adjacente. Em contrapartida, os caminhoneiros receberão todo o suporte necessário. Atender aos feirantes, usuários e trabalhadores dos equipamentos urbanos do entorno também é uma meta da intervenção. Para o público da Escola Municipal Magalhães Drumond e do Hospital da Criança, ambos localizados nas imediações, foram criados espaços de recreação e permanência que garantem a segurança das crianças. A travessia de pedestres será potencializada pela relocação dos sinais de trânsito, da faixa de pedestre e do ponto de ônibus, além do uso da pavimentação de traffic calming.

 

Estrutura para Feiras temporárias. Ao fundo, trecho da Avenida Silva Lobo com traffic calming, garantindo a integração dos dois lados do Viaduto.


Viaduto Pedro Aguinaldo Fulgêncio

 Vista para os Escaninhos e a Cozinha Pública. Ao fundo, arquibancadas associadas a playground configuram espaço de lazer voltado para palco.

Vista para os Escaninhos e a Cozinha Pública. Ao fundo, arquibancadas associadas a playground configuram espaço de lazer voltado para palco.

A proposta para viaduto Pedro Aguinaldo Fulgêncio compreende a ocupção dos seus baixios e a criação de uma edificação elevada, totalizando 7.500 m2 de intervenção. Para a ocupação do baixio, propõem-se espaços amplos, com vegetação abundante e o uso do mobiliário urbano modular, sempre articulados uns aos outros, com o intuito de evitar áreas mono-funcionais. Além da proposição para o baixio, considerando-se o caráter diverso entre os trechos do bairro Floresta e do Centro, separados pelo metrô e pela Av. Andradas, e a possibilidade de implantação de equipamentos âncora, para maior permanência pública nessa região da cidade, propõe-se uma edificação que faça a conexão entre os dois lados do baixio e abrigue equipamentos de uso diversificado e constante. Essa edificação foi estruturada de maneira flexível, para que não exista um uso rígido pré-estabelecido. Ao contrário, faz-se uma indicação de uso, que pode ser transformado a partir do que se desejar. Essa edificação elevada se conecta ao baixio e também à área trafegável do viaduto, em trajeto peatonal, ora por escadas, ora por rampas acessíveis.

 

Interior da edificação suspensa com lojas e áreas de descanso, passarela lateral de acesso ao viaduto e quadra ao fundo.

Vista externa da estrutura suspensa a partir da Av. dos Andradas


 Diagramas de análise dos atores existentes e usos propostos em cada baixio

Diagramas de análise dos atores existentes e usos propostos em cada baixio

     Mobiliário urbano proposto 1  Arquibancada  2  Cozinha pública  3  Estrutura para exposição  4  Estrutura para feira  5  Escaninhos  6  Tótem com paineis fotovoltáicos

 

Mobiliário urbano proposto
1
Arquibancada
2 Cozinha pública
3 Estrutura para exposição
4 Estrutura para feira
5 Escaninhos
6 Tótem com paineis fotovoltáicos